Observatório de Bioética Social – Grupo de Pesquisa BIOPSYS
  • CALL FOR ABSTRACTS: 2018 Petrie-Flom Center Annual Conference: Beyond Disadvantage: Disability, Law, and Bioethics

    Publicado em 05/08/2017 às 14:43

     June 1, 2018 8:00 AM – 5:00 PM
     Conferences
     2017-2018
     Wasserstein Hall, Milstein East ABC (2036)
    Harvard Law School, 1585 Massachusetts Ave., Cambridge, MA

    “Congress acknowledged that society’s accumulated myths and fears about disability and disease are as handicapping as are the physical limitations that flow from actual impairment.” Justice William J. Brennan, Jr., School Bd. of Nassau, Fl. v. Arline, 480 U.S. 273 (1973).

    The Petrie-Flom Center for Health Law Policy, Biotechnology, and Bioethics at Harvard Law School is pleased to announce plans for our 2018 annual conference, entitled: “Beyond Disadvantage: Disability, Law, and Bioethics.” This year’s conference is organized in collaboration with the Harvard Law School Project on Disability.

    Conference Description

    Historically and across societies people with disabilities have been stigmatized and excluded from social opportunities on a variety of culturally specific grounds. These justifications include assertions that people with disabilities are biologically defective, less than capable, costly, suffering, or fundamentally inappropriate for social inclusion. Rethinking the idea of disability so as to detach being disabled from inescapable disadvantage has been considered a key to twenty-first century reconstruction of how disablement is best understood.

    Such ‘destigmatizing’ has prompted hot contestation about disability. Bioethicists in the ‘destigmatizing’ camp have lined up to present non-normative accounts, ranging from modest to audacious, that characterize disablement as “mere difference” or in other neutral terms. The arguments for their approach range from applications of standards for epistemic justice to insights provided by evolutionary biology. Conversely, other bioethicists vehemently reject such non-normative or “mere difference” accounts, arguing instead for a “bad difference” stance. “Bad difference” proponents contend that our strongest intuitions make us weigh disability negatively. Furthermore, they warn, destigmatizing disability could be dangerous because social support for medical programs that prevent or cure disability is predicated on disability’s being a condition that it is rational to avoid. Construing disability as normatively neutral thus could undermine the premises for resource support, access priorities, and cultural mores on which the practice of medicine depends.

    The “mere difference” vs. “bad difference” debate can have serious implications for legal and policy treatment of disability, and shape strategies for allocating and accessing health care. For example, the framing of disability impacts the implementation of the Americans with Disabilities Act, Section 1557 of the Affordable Care Act, and other legal tools designed to address discrimination. The characterization of disability also has health care allocation and accessibility ramifications, such as the treatment of preexisting condition preclusions in health insurance. The aim of the conference is to construct a twenty-first century conception of disablement that resolves the tension about whether being disabled is merely neutral or must be bad, examines and articulates the clinical, philosophical, and practical implications of that determination, and attempts to integrate these conclusions into medical and legal practices.

    Call for Abstracts

    Deadline for submission: October 15, 2017

    We seek proposals that offer innovative conceptualizations and advance inventive approaches. Proposals should focus on the fresh contributions the presentation will make, including sketches of the supporting arguments. The abstract should include (but not be limited to) a paragraph summarizing the issue that will be addressed and any currently contending views about its resolution. Successful abstracts will explicitly address how the proposed presentation will address the challenges of integrating legal and medical understandings of disablement.

    We welcome submissions on both broad conceptual questions and more specific policy issues related to the “mere difference” vs. “bad difference” debate. Potential topics include:

    • Can disability be considered definitively bad, without defining living with a disability as inescapably disadvantageous?
    • Can we ameliorate mismatches between the capabilities of people living with disabilities and the socially constructed environment without seeming to privilege them?
    • Do the kinds of human diversity that disablement represents threaten the species or harm society? Can they improve the human species or benefit society?
    • (How) are bioethicists obligated to represent or at least respect the standpoints of people with disabilities?
    • Does the U.S. Supreme Court characterize and categorize disability correctly in the seminal equal protection case, Cleburne v. Cleburne Living Center? How can we reconcile making special or individualized arrangements to avoid excluding individuals based on disability with equal opportunity and equal protection?
    • Do different agencies’ and programs’ diverse definitions of disability—for example, that for some programs medical diagnoses suffice for disability status while others demand demonstrations of severe dysfunction—undercut efforts to address disability discrimination?
    • What is the standard for people with disabilities having meaningful access to health care? What is the minimum standard for people with disabilities’ access to health care below which denial of care equates to disability discrimination?
    • How may protections against disability discrimination—especially claims to civil rights or human rights—most effectively be made operative in the medical clinic?
    • Can the processes for accommodating disabilities be secured against fraud?
    • How should the impact of differences due to disability affect the way the competence of people with disabilities for accepting or rejecting treatment is assessed? How might new technologies affect courts’ determinations in this regard?
    • What progress has been made in increasing the proportion of medical professionals with disabilities and what steps are needed to speed this effort?
    • (How) should people with disabilities’ inability to achieve normal functioning affect their priority for scarce or expensive health care?
    • Given the current state of data about their risks of morbidity, should lifesaving interventions for extremely preterm infants be harder to obtain than for other babies?
    • Can Disability Pride be as effective for “destigmatizing” as earlier expressions of pride made by social movements such as those advanced by the LGBTQi, Women’s, or other groups?

    Please note that this list is not meant to be exhaustive; we hope to receive abstracts related to the conference’s central question even if the particular topic was not specifically listed here. Proposals should demonstrate a clear linkage to all three aspects of the conference—disability, bioethics, and law. Papers that focus on ethics should include substantial discussion of policy implications. Relatedly, law will be treated broadly to include governmental policy decisions more generally. Successful abstracts will propose or outline an argument/position, rather than merely stating a topic.

    In an effort to encourage interdisciplinary and international dialogue, we welcome submissions from legal scholars and lawyers, bioethicists, philosophers, clinicians, medical researchers, disability rights advocates, public health practitioners, behavioral economists, government officials and staff, and others who have a meaningful contribution to make on this topic. We welcome philosophical and legal reflections from contributors across the world, but these submissions should be general or United States- focused rather than comparative in nature. We welcome submissions from advocacy organizations, think tanks, and others outside academia, but emphasize that this is a scholarly conference, and abstracts/papers will be held to academic standards of argumentation and support.

    How to Participate

    If you are interested in participating, please send a 1-page abstract of the paper you would plan to present to petrie-flom@law.harvard.edu as soon as possible, but not later than October 15, 2017. If your abstract is selected, your final paper will be due on April 1, 2018, and you will be assigned a presentation slot for the conference. Please note that all presenters must provide a full final draft in order to participate and that presenters are expected to attend the conference for its full duration. We will accept conference papers of all lengths and styles (e.g., law review, medical, philosophy, or policy journal, etc.), but presentations will be limited to 15 minutes. The conference will be held on Friday, June 1, 2018. We will pay travel expenses for presenters who must travel to Cambridge; co-authored papers must name a single presenter.

    In the past, we have successfully turned several of our conferences into edited volumes (e.g., with Cambridge, MIT, Johns Hopkins, and Columbia University presses). It is possible, although not guaranteed, that conference presenters will publish their papers with us in an edited volume whose chapters will be limited to 5,000 words, including references. Previous conference participants have been able to publish their submissions in different formats in multiple venues, for example both as a short book chapter and a longer law review article. However, the version that will be used for an edited volume should not have been published previously or be planned to publish separately.

    How to Register

    Registration information will be available here in early 2018. Attendance is free and open to the public, but space is limited. Stay tuned for the conference agenda, which will be posted here once abstracts have been selected.

    Questions

    Please contact the Petrie-Flom Center, with any questions: petrie-flom@law.harvard.edu, 617-496-4662.


  • Aplicativos para Energias Sustentáveis

    Publicado em 24/01/2017 às 18:11

    https://energydata.info/

    World Bank launches online solar mapping tool

    http://www.climateactionprogramme.org/


  • A Energia DO FUTURO – EXPO ASTANA 2017

    Publicado em 23/01/2017 às 14:46

    Congresso de Energia – http://wsec.kz/?cat=78

    Expo ASTANA 2017 – https://expo2017astana.com/en/


  • Empresas que também estão mudando a forma como você usa energia elétrica

    Publicado em 23/11/2016 às 1:02

    http://www.pagueverde.eco.br/index.php/2016/08/01/5-empresas-que-tambem-estao-mudando-forma-como-voce-usa-energia-eletrica/

    http://www.pagueverde.eco.br/

    http://www.casaleve.com.br/

    O Pague Verde é o  programa de relacionamentos para o usuário consciente de energia elétrica e nosso principal objetivo é mudar completamente a forma como você usa este recurso ao longo do seu dia. Apesar do pioneirismo, claro, não estamos sozinhos: startups no mundo todo estão desenvolvendo tecnologias e novos modelos de negócios que possuem como principal objetivo inserir cada vez mais o usuário final de energia nesta rede, revolucionando a forma como este mercado está estruturado.

    Pensando nisso, resolvemos trazer para vocês alguns participantes desta turma. São empresas e startups que estão mudando completamente este mercado e oferecendo novas alternativas para o suprimento de energia elétrica ao usuário final. Confiram:

    Solar city logo

    (i) a Solarcity e a Vivint são pioneiras em vender a energia gerada por painéis solares como prestação de serviço. As empresas instalam os painéis na casa do consumidor sem custos, utilizando um modelo de comodato, e garantem que a energia gerada pelos seus painéis é mais barata que a energia fornecida pela distribuidora. Neste cenário, elas operam como uma “distribuidora de energia solar fotovoltaica”, mudando a distribuição de energia para a distribuição de sistemas de geração de energia limpa ao longo da rede.

    Mosaic logo1

    (ii) a Mosaic é um marketplace que une investidores privados interessados em financiar projetos de energia solar distribuída. A empresa funciona como um crowdfunding e investe os recursos obtidos em projetos de geração em escolas e estacionamentos, garantindo aos seus investidores taxas de retorno superiores a muitas aplicações financeiras disponíveis na atualidade;

    yeloha 1

    (iii) a Yeloha chega ao mercado com o seguinte lema: “você não precisa mais de um telhado para se conectar à energia solar”. Este é um marketplace que conecta usuários que possuem uma boa área disponível para instalação, mas não possuem recursos financeiros, com usuários que não possuem área alguma, mas dispõem do recurso financeiro para tal. Nesta plataforma, o usuário-investidor viabiliza a instalação do sistema na casa do usuário-gerador e, como contrapartida, destina para ele parte da energia gerada pela disponibilização do espaço.

    A startup tem passado por alguns contratempos e possivelmente deixe de operar até o final do ano, mas deixamos ela na lista pela proposta inovadora e pelo modelo interessante de distribuição de sistemas de geração.

    vandebron logo

    (iv) A Vandebron é uma das startups que estão mais avançadas na revolução este mercado ao possibilitar aos usuários a compra e venda de energia entre si, sem qualquer intermédio da distribuidora local. Por meio da plataforma, qualquer usuário pode acessar, comparar o preço de energia de diferentes produtores, conhecer a sua história e tomar decisões de compra da energia que será utilizada por um determinado período. Além disso, a plataforma viabiliza a relação direta entre o consumidor e o produtor, permitindo uma maior conexão interpessoal entre os dois lados do processo, o que, aliás, é premissa da economia do compartilhamento. O negócio é celebrado na própria plataforma, sem interferência de qualquer agente.

    Transactive Grid logo

    (v) A Transactive Grid e a Grid Singularity dão um passo à frente e propõem uma revolução maior ainda através de um novo tipo de mercado de energia, operado estritamente por consumidores. Estas startups desenvolveram uma tecnologia que permite a compra e venda de energia por vizinhos, evitando a necessidade de uma autoridade central como as distribuidoras de energia (ou até a plataforma da Vanderbron) por ser construído sobre uma tecnologia chamada blockchain. blockchainfoi inicialmente concebido para dar suporte à moeda bitcoin e visa dar segurança através da criptografia de listas de transações. Neste cenário, conseguiriamos realmente transacionar a energia gerada e consumida por usuários de forma independente, sendo que a própria rede seria responsável pela gestão e controle da troca do recurso.

    SolarCoin logo

    (vi) A SolarCoin, por sua vez, utiliza a tecnologia do blockchain para criar a primeira crowdfunded feed-in tariff do mercado de energia. Chamamos de feed-in tariff a tarifa paga para os usuários pelo excedente de energia elétrica gerada através de um sistema de microgeração. Esta startup  remunera pessoas com uma moeda digital alternativa por gerar energia solar, uma moeda para cada 1MWhr de geração solar. Com a circulação da moeda, usuários passarão a, efetivamente, dar incentivos uns aos outros usuários pela geração através de fonte solar, o que é uma enorme quebra de paradigma.

    Empresa bônus

    É difícil falar de modelos inovadores para o mercado de energia sem falar da Tesla, que talvez seja o maior exemplo de inovação no desenvolvimento de tecnologias para este novo mercado, sendo a pioneira no desenvolvimento de Carros Elétricos e sistemas residencias de armazenamento de energia que funcionam acoplados a sistemas de geração solar.

    Tesla

    Além da espetacular tecnologia de armazenamento de energia elétrica dos carros, um dos principais valores da Tesla está na proposta de uma experiência completa e integrada de uso da energia através dos carros elétricos e das baterias residenciais, em um custo acessível para a grande maioria das pessoas. O objetivo da companhia é fazer com que esta experiência seja realmente popular, promovendo uma real guerra contra a base energética sustentada por combustíveis fósseis, como o próprio CEO Elon Musk gosta bastante de dizer.

    Recentemente, anúncios feitos pela empresa nos faz acreditar que esta experiência será cada vez mais completa. A empresa anunciou recentemente o interesse na compra da Solarcity, que já uma grande parceira e que não só utiliza as baterias da marca nas suas instalações como também promove o fornecimento de energia nas estações de recarga para os carros elétricos. Além disso, recentemente, o CEO Elon Musk lançou a segunda parte do seu plano, que mostra de maneira clara a intenção de não só construir carros esportivos, mas também levar e energia elétrica para transportes de massa, o que representaria uma revolução sem precedentes.

    [NOTA NERD] O atual CEO da Tesla, Elon Musk, já é um dos maiores acionistas da Solar City e tem como objetivo integrar todo o processo de disponibilização da energia solar com as tecnologias da Tesla, o que ficou claro com a sua declaração de interesse de compra da empresa. Esta situação acabou resultando em um fato interessante, já que ele estaria comprando a própria empresa para realizar o feito.


  • Gigantes da tecnologia usam energia eólica para abastecer seus centros de dados

    Publicado em 15/11/2016 às 18:23

    https://www.ambienteenergia.com.br/index.php/2014/12/gigantes-da-tecnologia-usam-energia-eolica-para-abastecer-seus-centros-de-dados/24982

    Por Caroline M., da Energio Nordeste – Google, Microsoft e Yahoo tem uma coisa em comum além de serem gigantes da tecnologia. As três empresas já investem em energia limpa e renovável comprando energia eólica para abastecer seus centros de dados espalhados pelos Estados Unidos.

    Com o objetivo de garantir uma fonte segura e limpa de energia a um preço combinado por um período extenso, as empresas viram no setor de energia renovável uma maneira de evitar a volatilidade dos valores por companhias de outras fontes de energia.

    A empresa de energia OwnEnergy é responsável pelo abastecimento da Yahoo, que a partir de agora terá aparte da sua energia vinda dos campos eólicos das Grandes Planícies. A Microsoft adquiriu energia eólica para abastecer seus centros de dados nos estados do Texas e Illinois.

    Já o Google, tido como empresa de tecnologia líder no consumo de energia limpa, certou com empresas dos Estados americanos de Iowa, Oklahoma e Texas. A empresa afirma que adquire cerca de mil megawatts de energia eólica renovável para abastecer os seus centros de dados.

    Fonte: Energio Nordeste


  • “Crítica à economia verde”

    Publicado em 04/11/2016 às 15:08

    http://g1.globo.com/natureza/blog/nova-etica-social/post/um-olhar-diferente-sobre-economia-verde.html

    Quinta-feira, 03/11/2016, às 19:58, por Amelia Gonzalez

    Um olhar diferente sobre a economia verde

    No coração do conceito de economia verde, que começou a ser difundido depois da Rio+20, em 2012, está a antiga promessa da velha economia: “Nós podemos mudar de direção e tudo vai dar certo”.  Mas, há tempos temos percebido que as promessas de um mundo melhor têm resultado em pouca coisa, pelo menos para o pessoal do pé da pirâmide, já que apenas cerca de 20% de pessoas das classes sociais mais altas podem viver bem, consumir e produzir.  E que a tarefa de buscar um estilo de vida e um sistema econômico mais igualitários é muito mais árdua do que pode parecer. Portanto, estamos num momento de meter a mão na massa, de parar de ter esperanças vãs. A inovação tecnológica, tão propagada pelos que pregam a cartilha da economia verde, está cometendo “novos pecados verdes”. E não há, nessa teoria, qualquer reflexão sobre desigualdade social, sobre o bem-estar dos humanos.

    Este é o tom do livro “Crítica à economia verde” , escrito por Thomas Fatheuer, Lili Fuhr e Barbara Unmübig, que acaba de ser lançado pela Fundação Heinrich Böll Stiftung.  A ideia é lançar luzes e refletir sobre um tema que, querendo ou não, tornou-se controverso à medida que não responde a algumas perguntas necessárias e oferece respostas rápidas demais, sempre tendo a tecnologia como uma espécie de varinha de condão mágica para resolver as questões que se atravancam no nosso dia a dia por conta das mudanças do clima.

    “As políticas de justiça e redistribuição passíveis de conter a pobreza e a fome precisam ser inseridas nos limites planetários e em processos democráticos”, alertam os autores, para quem o Acordo de Paris conseguido na 21ª Conferência do Clima em dezembro do ano passado, apesar de ter sido um avanço histórico, dificilmente responderá à “magnitude do desafio e às necessidades e pressões das pessoas que reivindicam um acordo global baseado na justiça climática”.

    Thomas, Lili e Barbara fazem uma espécie de varredura em vários tópicos que são abordados pela economia verde e desconstroem alguns deles com base em fatos, não em convicções.  Sobre o investimento em energias renováveis, por exemplo, eles lembram que a despeito das enormes taxas de crescimento desse tipo de inovação elas hoje não respondem nem por 10% da necessidade energética mundial, isso contando com as polêmicas usinas hidrelétricas.

    “Além disso, com a instalação de turbinas eólicas, módulos solares e o desenvolvimento de tecnologias de armazenamento, cresce também a necessidade de matérias-primas minerais e metálicas (por exemplo lítio, terras-raras, cobalto), o que, por sua vez, leva a crises sociais e ecológicas nos países ricos em matérias-primas (especialmente África, Ásia e América Latina). Afinal, as energias renováveis não são imateriais”.

    O problema persiste, se levarmos em conta que a migração para fontes de energia renováveis não implica automaticamente uma descentralização e na perda de poder de grandes corporações petroleiras, porque elas também estão investindo no setor. E mais: as grandes mineradoras também já estão investindo em parques eólicos e painéis de energia solar, “no caso das grandes represas, com consideráveis efeitos negativos sociais e ecológicos”.

    “Um mix de energia pobre em emissões não significa o fim da exploração dos seres humanos e da natureza’, sentencia o texto do livro.

    A ecologia é, acima de tudo, uma questão de justiça, lembram os autores. Nesse sentido, uma economia que pretende resolver questões ecológicas não poderia deixar de se importar com a desigualdade dentro das sociedades. Dados da organização Oxfam, dedicada a estudos sobre a desigualdade, dão conta de que de cada dez pessoas, sete vivem em países em que o abismo entre ricos e pobres hoje é maior do que há 30 anos. Ocorre que a desigualdade não é só de renda e propriedade, mas também de acesso aos recursos naturais.

    “Setenta e dois por cento de todas as unidades rurais do mundo são constituídas por menos de um hectare de terra, e apenas 2% das operações são realizadas em mais de 20 hectares, revela uma pesquisa feita pela própria Fundação Böll  .

    O maior paradoxo é que justamente os agricultores que mais precisam são os que menos recebem ajuda dos governos.

    São questões políticas, que dependem do envolvimento dessas grandes empresas de alimentos com parlamentares que podem criar leis que possam beneficiá-las. A economia verde não entra nessas questões. Assim como não faz perguntas que serão de importância relevante para se conseguir, de fato, alcançar uma mudança na ordem mundial.

    “A quem pertencem os recursos; quem regulamenta o acesso a eles, quem aproveita e quem lucra com o desenvolvimento sustentável? Essas são questões cruciais do presente e do futuro”, diz o texto.

    O grande equívoco da economia verde está em corrigir a falha do mercado com mais mercado. Não é tarefa nada fácil acertar a economia, contudo “o horizonte se estende muito além de uma economia mais eficiente e poupadora de recursos”.  Os autores chamam atenção para a “apreensão econômica da natureza como capital natural”, já que tal capital compreende “o estoque de bens aos quais pertencem também velhos conhecidos, como as matérias-primas, mas o crucial é que essa reserva presta serviços”.

    “O conceito de capital natural traz a natureza para as  dimensões da economia: a natureza pode e deve ser descrita e registrada com conceitos econômicos. A grande falha da economia tradicional era e é não conseguir fazer isso de maneira suficiente. A economia verde pretende solucionar isso tornando a natureza economicamente mais apreensível, ou seja, ela deve ser bem mais mensurável. ”

    Eis então o ponto mais polêmico, ou um dos mais polêmicos, do conceito de economia verde. É possível fazer isso de modo sistemático, como lembraram Robert Costanza e Herman Daly, ambos ecoeconomistas, em resposta a George Monbiot, colunista do “The Guardian” que fez críticas severas a essa monetização, classificando-a como “caminho neoliberal para a ruína”. Costanza e Daly, no entanto, fazem uma ressalva importante: “Essa determinação de valor é apenas uma parte indireta da tomada de decisão (dos empreendimentos), e não ocorre de maneira explícita”.

    “Melhor seria se abríssemos o jogo, por mais intrincado e deficiente que seja o procedimento”, dizem os dois.

    É a natureza que deveria ser integrada adequadamente à economia, e não o contrário. A discussão é rica, a reflexão vale a pena e vou voltar a ela no texto de amanhã.


  • Palestra no campus Araranguá examina o fenômeno de violência contra a mulher

    Publicado em 06/09/2016 às 23:21

    Nesta quinta-feira, 8 de setembro, o campus Araranguá da UFSC realizará a palestra “Examinando o fenômeno de violência contra a mulher e Recursos tecnológicos para sua proteção”. O evento, em comemoração aos 10 anos da Lei Maria da Penha, será ministrado pela chefe da Divisão de Políticas de Segurança Pública para os Grupos Vulneráveis (RS), delegada Sônia Maria Dall’Igna. A conferência abrirá o ciclo de palestras “Tecnologias e Educação em Direitos Humanos” e será aberta à comunidade em geral, com certificado para os participantes.

    Para receber o certificado, os interessados devem fazer a inscrição através do formulário. Mais informações podem ser obtidas no site,  pelo telefone (48) 3721-6250 ou e-mail: 


  • Geólogos buscam marcas para adotar oficialmente o Antropoceno

    Publicado em 29/08/2016 às 23:05

    http://oglobo.globo.com/sociedade/sustentabilidade/geologos-buscam-marcas-para-adotar-oficialmente-antropoceno-19997097

    por Cesar Baima

    Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/sociedade/sustentabilidade/geologos-buscam-marcas-para-adotar-oficialmente-antropoceno-19997097#ixzz4ImFMUAtR
    © 1996 – 2016. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.


  • Enfrentando o Anthropoceno – capitalismo fóssil e a crise no sistema da Terra”

    Publicado em 21/08/2016 às 18:51

    http://g1.globo.com/natureza/blog/nova-etica-social/

    Amelia Gonzalez

    A intenção do livro de Angus foi o que mais me atraiu para a leitura.  A virada de era, claramente um fenômeno causado  sobretudo pelo excessivo consumo de combustíveis fósseis, precisa ter um olhar sócio-ecológico, afirma o autor. A segunda parte do livro é inteiramente dedicada a essa discussão.  E, como só podia acontecer, o foco é o conflito entre crescimento e preservação.

     

    “Quando os líderes dos países ricos, o G20, se encontraram em Toronto em 2010, por unanimidade eles concordaram que sua prioridade era pavimentar um forte, sustentável e equilibrado crescimento.A palavra crescimento aparece 29 vezes na declaração final do encontro.Por  que, face à evidência massiva de que a constante expansão da produção e extração de recursos está nos matando, os governos e as empresas continuam a alimentar um crescimento descontrolado?”, pergunta-se Angus.

     

    Para nossa espécie, o suficiente nunca é suficiente.Estamos querendo sempre obter mais coisas, de preferência com menos trabalho. Essa constatação cria em alguns especialistas a falsa impressão de que o problema do planeta é a quantidade de pessoas que hoje o habitam.  No entanto, como o próprio Angus comprova em outro livro – “Too Many People?” –escrito com Simon Butler,  – o fato de que países com alta taxa de nascimentos geralmente têm os menores padrões de vida e produzem menos poluição fatalmente desconstrói o medo da “super população”.  E tem mais, alerta Angus: se os 3 bilhões de pessoas mais pobres do planeta desaparecessem de uma hora para outra não haveria redução alguma na contínua destruição ambiental.

     

    Fato é, lembra o autor, que o sistema capitalista precisa de crescimento para sobreviver.  Se, milênios atrás, quando não havia espaço ou necessidade de crescimento econômico, quase toda a produção era para uso, sob este regime econômico a maioria da produção é para troca:

     

    “O capital explora o trabalho e a natureza para produzir bens que podem ser vendidos por mais do que o custo de produção, a fim de acumular mais capital. E o processo se repete. A ideologia do crescimento não causa acumulação, mas a justifica”, escreve o autor.

     

    Ian Angus também descreve o comportamento paradoxal  dos executivos das grandes empresas. Se perguntar a qualquer um, da Exxon, Shell ou Volkswagen, eles dirão que querem um futuro sustentável para seus filhos e netos. No entanto, quando estão atrás de suas mesas de trabalho, quem ganha é o capital e é a ele que terão que prestar contas.

     

    “Sendo assim, quando apresentam a eles uma escolha entre proteger o futuro da humanidade e maximizar o lucro, eles escolherão o lucro.  Se a blindagem falha ou se ele ou ela tem um ataque de consciência, não vai durar muito no cargo”, profetiza.

     

    Não se trata de vilanizar executivos.É assim, ou melhor, tem sido assim o sistema econômico:  se nada parar o capital, ele vai tentar se expandir indefinidamente.  Mas acontece que, para isso, vai precisar de recursos naturais. E eles não são infinitos.  Como também demonstrou o antropólogo norte-americano David Harvey, “uma economia capitalista com crescimento-zero é uma contradição, não pode existir”.  Eis aí, portanto, a raiz das causas que provocam a crise ambiental.

     

    Um exemplo do que se está dizendo pode ser facilmente encontrado no agronegócio:  em vez de plantar e colher alimentos para uso, eles o fazem para vender e lucrar.

     

    Claro está que Ian Angus apostanum outro regime como a chave para se sair dessa situação crônica e recorrente.  No entanto, não será uma revolução ecológica que não seja socialista, tampouco uma revolução socialista que não seja ecológica.

     

    “Devemos ser pluralistas e abrir possibilidades para diferentes visões dentro da chamada ‘esquerda verde’.  Tem sido muito dito que as pessoas  dos países do Hemisfério Sul e os indígenas que vivem em todos os lugares são as primeiras vítimas das mudanças climáticas e outras formas de destruição do meio ambiente. O que não é dito, mas é muito mais importante dizer, é que os primeiros criminosos ambientais são os ‘nossos’ capitalistas do Norte. Isso põe uma responsabilidade especial nos ecosocialistas dos países ricos para combater as políticas de nossos governantes e das corporações baseadas em nossos países”,  escreve Ian Agnus.

     

    O autor acredita que somente uma oposição de massa feita por pessoas bem informadas é que poderá trazer alguma mudança no cenário.  Para ele, é importante espalhar os lemas: “Deixe o óleo no solo, deixe o carvão no buraco, deixe a areia betuminosa na terra”.  É disso que se trata, acredita ele, quando se fala sobre o sentido de fazer política. “O objetivo da política é agir, mas agir com efeito”.  É a única maneira de ser protagonista, não meramente um espectador na vida.

     

    “Não é um exagero, nem uma mera suposição:  é a conclusão central de um dos mais amplos projetos científicos já realizados. Precisamos começar a pensar no nosso planeta de um modo inteiramente novo”.

     

    O livro merece reflexão.

     


  • Global Health & Innovation Conference – 2017

    Publicado em 04/08/2016 às 18:58

    http://www.uniteforsight.org/conference/

    The Global Health & Innovation Conference (#GHIC) is theworld’s leading and largest global health conference as well as the largest social entrepreneurship conference, with 2,200 professionals and students from all 50 states and more than 55 countries. This must-attend, thought-leading conference convenes leaders, changemakers, and participants from all sectors of global health, international development, and social entrepreneurship.